SAúDE OCUPACIONAL E MEDICINA DO TRABALHO

Os termos: saúde ocupacional e medicina do trabalho são bastante utilizados atualmente, saiba o que cada um significa!

Saúde Ocupacional e Medicina do Trabalho

Saúde Ocupacional e Medicina do Trabalho

As empresas promovem métodos para garantir a segurança dos trabalhadores, através da prevenção de doenças ou problemas provenientes da atividade exercida. Entretanto, existem diferenças entre saúde ocupacional e medicina do trabalho, ambos relacionados à proteção e saúde dos funcionários em locais de trabalho.

O que é Medicina do Trabalho

A Medicina do Trabalho é uma especialidade médica, que tem o objetivo de manter a integridade física, através da prevenção da saúde do trabalhador. Também chamada de Medicina Ocupacional, ela assegura a melhoria contínua da saúde e uma interação entre os membros da equipe.

O médico do trabalho é responsável pela avaliação da capacidade do candidato à vaga e promove reavaliações periódicas, principalmente com relação aos riscos nos quais o trabalhador pode estar exposto.

Quando surgiu a Medicina do Trabalho?

A Medicina do Trabalho surgiu na Inglaterra, durante o século XIX com a  Revolução Industrial. A exploração da mão de obra por meio de um processo desumano de produção resultou em diversas doenças da classe trabalhadora e exigiu a intervenção médica dentro das fábricas.

Os resultados obtidos pela Medicina do Trabalho deram origem a Recomendação 112/45, que trata do "serviço de medicina do trabalho" para assegurar proteção contra todo o risco que prejudique a saúde do trabalhador e comprometa a atividade executada na empresa.

Com a expansão da Industrialização, a Medicina Ocupacional passou a ser indispensável para a redução de afastamentos provocados pelas doenças do trabalho.

O que é Saúde Ocupacional

O conceito de saúde ocupacional surgiu no período pós-guerra, quando a alta de produção industrial e o surgimento de novos processos fabris aumentaram o número de doenças e acidentes no trabalho. A utilização médica já não era mais suficiente para garantir a integridade do empregado e a saúde ocupacional veio para expandir a Medicina do Trabalho.

Através da atuação de outros profissionais como engenheiros e psicólogos, a saúde ocupacional está focada na prevenção de doenças e problemas provenientes do trabalho através do bem estar físico, mental e social do indivíduo.

Para o empregador, ela garante apoio ao aperfeiçoamento do funcionário e a conservação da capacidade de trabalho. Assim, o principal objetivo passa a ser a saúde de todo o ambiente laboral para que os riscos sejam reduzidos, e não apenas o de prevenir o trabalhador.

O que essas teorias significam na prática?

A normatização da Saúde Ocupacional no Brasil surgiu na década de 70, quando fábricas e demais locais de trabalho foram obrigadas a terem equipes multidisciplinares para avaliação dos riscos laborais. Atualmente, toda empresa é obrigada a ter o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT, que será responsável pela segurança e saúde dos trabalhadores.

Quais os benefícios da Saúde Ocupacional?

Cada vez mais, empregadores têm percebido que o desenvolvimento de programas de promoção à saúde geram benefícios para a empresa e demonstram o comprometimento com o empregado.

A utilização de ações de saúde ocupacional deixam transparecer o cuidado com o funcionário. Com isso, o trabalhador fica mais motivado para exercer a função em um ambiente seguro, aumentando a produção em banefício do patrão e de toda a empresa.

A atuação da Medicina do Trabalho também garante a contratação de mão de obra apta para o cargo e oferece respaldo legal para o empregador ao certificar a capacidade do indivíduo para realizar as tarefas para os quais foi contratado.

 

Fonte: Blog Segurança do Trabalho (http://www.blogsegurancadotrabalho.com.br/)

Comentários

noticia saúde ocupacional medicina do trabalho